A VIDA SEXUAL DA MULHER COM ENDOMETRIOSE

Especialista em endometriose, a ginecologista Flávia Fairbanks vinha observando há anos que uma consequência específica dessa encrenca estava sendo negligenciada. Enquanto as dores e mesmo a infertilidade eram alvos dos tratamentos, eventuais disfunções sexuais ficavam em segundo plano ou sequer recebiam a atenção dos especialistas.

“As mulheres com esse problema nunca se sentiam plenamente atendidas quanto às suas questões sexuais”, recorda-se Flávia, que participa do Projeto Sexualidade (ProSex), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. Para ter uma ideia clara de quanto a endometriose afetava a vida sob os lençóis, ela recrutou mais de 500 mulheres — algumas com e outras sem a enfermidade.

Embora esperasse uma diferença entre os grupos, Flávia ficou surpresa com os resultados. Em comparação com voluntárias saudáveis, as vítimas da endometriose corriam um risco mais do que duas vezes maior de apresentar alguma queixa significativa com relação ao sexo. Para sermos exatos, 43,3% das pacientes reportaram dor durante a penetração, falta de interesse, dificuldade acima do normal para ter um orgasmo…

Antes de chegar às razões por trás disso, primeiro é importante compreender a endometriose, que atinge 10% do público feminino. Em resumo, ela dá as caras quando partes do endométrio saem do útero e extravasam para as demais áreas da pelve (como bexiga e ovário). Esse tecido fora do lugar ocasiona dores fortes e pode alterar a anatomia da região, o que contribui para a infertilidade.

“Essa mudança na anatomia, que às vezes exige cirurgia, tornaria a relação sexual desconfortável”, explica Flávia. Além disso, os incômodos constantes, associados a eventuais dificuldades para engravidar, bagunçam a cabeça e, assim, jogam o desejo para longe. Aliás, vale a pena ressaltar que a endometriose é relacionada à ansiedade e à depressão — dois quadros que costumam piorar o sexo.

Há ainda outro aspecto importante e menos debatido: determinados tratamentos para essa chateação interferem na excitação ou na lubrificação da vagina, por exemplo. A própria pílula anticoncepcional foi atrelada a prejuízos nas funções sexuais entre mulheres com endometriose. “Isso não é uma preocupação tão comum entre ginecologistas. Às vezes a gente acha que ajudou quando, na verdade, criou outro problema”, afirma. 

Fonte: Saúde Abril

 



Av. dos Andradas, 3323 - Sala 804 - Sta Efigênia - B.Horizonte
Tel.: (31) 2510-3355 e (31) 2510-3311
Próximo ao Hospital Militar, estacionamento pela Av. Contorno
Como Chegar
Veja no Google Maps como
chegar em nossa clínica