PESQUISA REVELA QUE BRASILEIRAS DESCONHECEM A ENDOMETRIOSE

Doença que atinge cerca de 176 milhões de mulheres no mundo, sendo seis milhões só no Brasil, a endometriose ainda é desconhecida para 53% das brasileiras, aponta pesquisa realizada este ano pela Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) - com apoio da Bayer.  A pesquisa foi feita com 10 mil mulheres, com idade acima de 18 anos, em dez capitais (Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador).

Quando separados por localidade, os dados são ainda mais alarmantes. Em Porto Alegre, por exemplo, 68% das mulheres não sabem o que é a endometriose, enquanto em Manaus esse número sobe para 82%. Em São Paulo e Brasília, 52% disseram nunca ter ouvido falar na doença. Na contramão, em Recife, 72% das mulheres afirmaram já ter ouvido falar sobre o assunto, seguido por Curitiba e Salvador (64%) e Rio de Janeiro (54%).

Embora pouco conhecida, a doença afeta cerca de 176 milhões de mulheres no mundo, sendo seis milhões só no Brasil. A endometriose acontece quando há presença de tecido uterino  (endométrio) fora do útero, como por exemplo, na cavidade abdominal e nos ovários. Pode ocorrer já  a partir da primeira menstruação e afeta as mulheres principalmente durante os anos reprodutivos. A patologia pode causar dores abdominais severas e é uma das principais causas de infertilidade. Entre os principais sintomas estão dor durante as relações sexuais, cólica menstrual intensa, alterações no hábito intestinal (diarreia ou obstipação) e dificuldade para engravidar. Entre as entrevistadas, 55% disseram apresentar algum sintoma da doença - 23% pelo menos um e 7% os cinco sintomas.

“Essa pesquisa reforça, de modo geral, que as mulheres ainda não estão bem informadas sobre a endometriose, o que acaba dificultando a detecção e tratamento da doença”, explica o Dr. Mauricio Abrão, professor associado do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), ex-presidente da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) e presidente do próximo Congresso Mundial de Endometriose.

A pesquisa ainda aponta que grande parte das mulheres (82%) desconhece qualquer tipo de tratamento oferecido pelas redes pública e particular de saúde e 34% delas acreditam que é possível melhorar o diagnóstico e tratamento da endometriose através de campanhas informativas.

Além da falta de conhecimento sobre a doença por parte das mulheres, a carência de centros de atendimentos especializados dificulta ainda mais a busca por diagnóstico preciso e tratamento eficaz. Uma pesquisa, realizada pela Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) com apoio da Bayer, com 956 médicos, em 10 estados brasileiros*, revelou que embora a maioria os profissionais conheça os principais sintomas (78%) e saiba como identificar a endometriose (82%), 67% dos médicos acreditam que os centros disponíveis para tratamento da doença não são capazes de atender à demanda brasileira e 93% gostariam que houvesse mais centros de tratamento. Quando perguntados quais os maiores desafios para diagnóstico precoce da doença, 49% dos profissionais responderam falta de tratamento específico e dificuldade de acesso aos recursos e exames para diagnóstico preciso da doença.

A doença não tem cura, mas pode ser tratada, permitindo que a mulher ganhe qualidade de vida e até engravide. Para tratar a patologia, a Bayer trouxe ao Brasil o  Allurene® (dienogeste),  primeiro tratamento clínico de longo prazo, ministrado por via oral com dose única diária, indicado especificamente para endometriose.

“Para auxiliar as mulheres que aguardam na fila para o tratamento da endometriose nos hospitais de referência, a Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) com apoio da Bayer, realizará neste semestre um mutirão de saúde com exames clínicos e exames de diagnósticos por imagem, visando diminuir a espera dessas mulheres que precisam de tratamento”, conclui Dr. Rui Ferriani, presidente da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE).

* A pesquisa com 956 médicos foi realizada em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Fortaleza, Manaus, Curitiba e Salvador.

Um alerta para as mulheres

Para conscientizar a população sobre a importância de conhecer e identificar a doença, no dia 16 de março acontece a tradicional Corrida W RUN, em São Paulo, com apoio da Bayer. A corrida, que já está em sua 13ª edição, terá o tema “W RUN Contra a Endometriose”. O evento, com percursos de 4 km ou 8 km,  terá a participação esperada de 6.000 mulheres. Já no Rio de Janeiro, a corrida acontecerá no dia 27 de abril.

No dia 13 de março, acontecerá também a Marcha Mundial contra Endometriose. No Brasil, a concentração principal será na Capital Federal, no gramado central em frente à Catedral Metropolitana, e seguirá rumo ao Congresso Nacional ocupando duas faixas do Eixo Monumental. A marcha também acontecerá em São Paulo, com concentração no vão livre do MASP, na Avenida Paulista, e seguirá rumo à Assembleia Legislativa, na região central da cidade.

Fonte: ParanaShop

 

 



Av. dos Andradas, 3323 - Sala 804 - Sta Efigênia - B.Horizonte
Tel.: (31) 2510-3355 e (31) 2510-3311
Próximo ao Hospital Militar, estacionamento pela Av. Contorno
Como Chegar
Veja no Google Maps como
chegar em nossa clínica