SUBSTÂNCIAS DO MEIO AMBIENTE AUMENTAM CASOS ENTRE ADOLESCENTES

O programa Cotidiano, da Radio Nacional de Brasília, discutiu a endrometriose, que é uma das principais causas de infertilidade. O ginecologista e chefe do Ambulatório de Endometriose do Hospital Universitário Pedro Ernesto do Rio de Janeiro, Marco Aurélio Pinho de Oliveira, explica que a endometriose é uma doença muito frequente: uma em cada 4 mulheres no período fértil vão ter essa doença.
 
O endométrio é um tecido que está dentro do útero, que cresce durante o período menstrual e é eliminado durante a menstruação, mas ocorre que boa parte passa pelas trompas e cai na barriga, todo mês. Esse endométrio dentro da barriga por um longo tempo vai grudando e acaba levando a dor, a infertilidade e a doenças graves, como nódulo intestinal e de bexiga.

Segundo o ginecologista a questão é que a endometriose vem ficando mais frequente e mais grave nos últimos 15 anos, "o que parece estar acontecendo é que o sistema imunológico das meninas que começam a menstruar aos 12 anos, não está conseguindo eliminar esse tecido por algum motivo. Provavelmente há uma interação do meio ambiente com esse genes que faz com que determinada mulher com característica genética mais propícia, venha a desenvolver uma doença mais séria em menos tempo", explica.
 
Por isso, segundo o médico, questões do meio ambiente podem ter influência como: crescimento industrial, contaminação da água e do ar e da própria alimentação também. Marco Aurélio Pinto cita também substâncias como a dioxina, o bisfenol A, os ftalatos, parabenos e outros. O ginecologista orienta que precisa ser feito o diagnóstico e um dos tratamentos é a pílula de uso contínuo.

Ouça no site da EBC Rádios a entrevista completa!

Fonte: EBC

 



Av. dos Andradas, 3323 - Sala 804 - Sta Efigênia - B.Horizonte
Tel.: (31) 2510-3355 e (31) 2510-3311
Próximo ao Hospital Militar, estacionamento pela Av. Contorno
Como Chegar
Veja no Google Maps como
chegar em nossa clínica